Impasses entre a tecnologia e o ensino de Sociologia

Retomando a discussão sobre tecnologia e ensino de Sociologia, gostaria de propor um debate de acordo com as minhas experiências no estágio. Muito foi discutido sobre os benefícios e as facilidades que a introdução de tecnologias pode acrescentar nas aulas, seja através do uso de filmes, vídeos, data show ou na utilização desses recursos pelos próprios alunos ao trazerem materiais para contribuição em sala de aula. O vídeo postado neste blog no dia 6 de outubro de 2011 relata sobre a introdução de multimídias dentro das aulas na escola do SESI no Rio de Janeiro. Tanto os alunos quanto os professores sabiam utilizar as mídias para o desenvolvimento da aula, utilizando de vídeos e notícias online para aprofundar e dar dinâmica ao conteúdo.

O que a primeira vista representa o futuro da educação, deve ser analisado com outros olhos. O tipo de aluno e de docente apresentados no vídeo contrasta muito com a realidade que se observa nas escolas públicas brasileiras; a falta de computadores, funcionários capacitados para utilizar as mídias e de professores treinados a lidar com esse tipo de ferramenta são alguns exemplos do que podemos encontrar. O fato de estarmos cercados por equipamentos tecnológicos, como câmeras de segurança, aparelhos celulares, televisores e rádios não significa que na escola a assimilação desses equipamentos seja feita de forma adequada pelos componentes envolvidos no processo educacional.

Durante meu estágio de sociologia acompanhei um processo nem tanto educacional, mas que possibilitou um aprendizado sobre os alunos com que estava trabalhando. A direção da escola pediu para que acompanhássemos os alunos do terceiro ano na inscrição de um processo seletivo, na sala de informática. O primeiro problema que deparamos é que a maioria dos estudantes não sabia utilizar o computador para preencher o formulário; o uso com o mouse, a habilidade em manusear os campos de preenchimento era um processo muito dificultoso aos alunos. Alguns discentes, envergonhados, chegavam até a pedir que nós, estagiários, realizássemos este processo de digitação dos dados.

A segunda fase do processo de preenchimento consistia em responder a um questionário socioeconômico. Dentre as perguntas mais significativas para esse post, me atento para aquelas sobre a quantidade de aparelhos domésticos que cada aluno tinha em casa. Grande parte não tinha computador na residência, se tinham dividiam com todos os membros da família; e televisores e rádios possuíam pelo menos um de cada. Sobre materiais de consulta como revistas, jornais e enciclopédias quase nenhum deles obtinham em casa.

A realidade desses alunos é baseada em aparelhos domésticos, televisões e rádios, e a ausência de equipamentos de informática. O questionário não perguntava sobre a aquisição de celulares, mas em sala percebemos que todos têm essas mídias. O primeiro impasse sobre o uso de tecnologias em sala de aula é que existe um déficit material, ou seja, os alunos não possuem condições financeiras para usufruir e adquirir esses bens materiais. As condições sociais, culturais e econômicas atuam na barreira entre sujeito e tecnologia, ampliando-a ou afastando-a.

O segundo, e principal, impasse vai de encontro com a utilização desses materiais. Considerando que esses alunos mesmo distantes do uso de computadores e internet, utilizam outras mídias que estão ao seu alcance como celulares, televisores e rádios. A tecnologia dentro da sala de aula, levando em consideração as mídias de alcance dos alunos, poderia desenvolver um debate intenso sobre os vários assuntos cotidianamente apresentados. Uma noticia no jornal, um acontecimento local ou problemas do bairro podem ser usados como instrumentos para uma aula de Sociologia. A utilidade dos meios de comunicação são diversas e são aproveitadas de acordo com a criatividade e disponibilidade objetiva do responsável pelo andamento da aula, no entanto a questão que coloco não é como dar utilidade a tecnologia, mas qual o tipo de finalidade que se propõe ao usar as mídias no ensino.

Tanto no vídeo citado acima quanto no artigo de M. L. Belloni uma das temáticas abordadas é sobre a função do professor perante a utilização das mídias, que seria de mediador entre o conhecimento recebido das tecnologias e os alunos; e sendo aquele que deve saber “filtrar” as informações transmitidas pelo meio midiático, para exibir apenas fatos, noticias ou pesquisas de fontes “confiáveis”. As palavras entre aspas merecem destaque, pois será que os professores de Sociologia estão capacitados a “filtrar” as informações, ou mesmo selecionar quais as fontes “confiáveis”; ou o que é uma fonte “confiável”? Esses termos são muitos usados dentro da questão na inclusão da tecnologia na educação, porém falta um aprofundamento no debate.

Dentre os professores poucos são capacitados para utilizar recursos tecnológicos em sala de aula e menos ainda são aqueles que conseguem romper a barreira da reprodução dos valores transmitidos pelas grandes mídias. “Filtrar” determinado conteúdo ou escolher uma fonte adequada, portanto, não significa que o professor de Sociologia está trazendo para aula conteúdos reflexivos e críticos para os alunos. Para ilustrar essa situação, por exemplo, pegamos o caso de um educador que traz um vídeo ou pede para os alunos pesquisarem, especificamente, sobre um movimento social que invadiu uma propriedade privada e queimou toda a produção do local. Com a classe levanta argumentos que o grupo social agiu de forma violenta e que existem outros tipos de manifestações políticas como tentar mudar as leis e atuar pacificamente. Nesse exemplo de aula, o professor ao trazer um tema recente para debater, simplesmente reproduziu o que está implícito no material exposto. Dentro de uma aula de Sociologia a reprodução do conteúdo, neste caso captado pelas mídias, não é a finalidade do aprendizado.

Uma das diretrizes do ensino sociológico está em propor a investigação dos acontecimentos sociais, o estranhamento à realidade e o distanciamento de posicionamentos e explicações advindos do senso comum. Assim, utilizar a tecnologia sem um determinado cuidado, acaba levando a mera reprodução de valores. O fato do docente selecionar os sites, os programas da televisão ou indicar opções de pesquisa para os alunos, pode restringir a capacidade destes em estranhar  o mundo que os cerca. As aulas de Sociologia recebem uma imensa contribuição com meios tecnológicos, até para ajudar na melhor compreensão dos discentes sobre determinadas temáticas, mas o seu uso deve evitar ser uma valorização de aspectos tendenciosos. Não é porque as escolas, os professores e os alunos tem acesso a tecnologias, alguns mais que outros, que a finalidade seja a reprodução do senso comum.

Este post, longe de ser uma apologia contra do uso da tecnologia no ensino de Sociologia, pretendia repensar alguns aspectos excluídos do debate quando se expõem as vantagens do uso de multimídias. Atualmente, pensar como introduzir a tecnologia em sala de aula é retardar o debate, visto que os indivíduos estão expostos diariamente com diversos aparelhos tecnológicos, seja no trabalho, em casa, na rua e na escola. O problema é entender a sua utilidade pedagógica e, no caso da Sociologia, estranhar e questionar o que está posto.

 

Referência bibliográfica:

  • FONSECA, A. Brasil. Ciência, Tecnologia e desigualdade social no Brasil: contribuições da Sociologia do conhecimento para a educação em Ciências. In: Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. Vol. 6, Nº 2, 364-377 (2007).
  • BELLONI, Maria Luiza. Tecnologia e formação de professores: Rumo a uma pedagogia pós-moderna? In: Educação & Sociedade, vol. 19 n. 65 Campinas: Dec. 1998. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73301998000400005 , 04/03/2012.
  • NOMA, A. K. e PETRINI, Paulo. Novas tecnologias: interlocuções no âmbito das relações humanas, da comunicação e da educação. Disponível em http://www.dtp.uem.br/lap/public/05.pdf, 04/03/2012

Link dos post(s) desse blog utilizados como fonte:

https://escsunicamp.wordpress.com/2011/10/23/tecnologia-e-educacao/

https://escsunicamp.wordpress.com/2011/10/06/era-digital-como-utilizar-pedagogicamente-a-tecnologia/

https://escsunicamp.wordpress.com/2011/09/22/como-a-inclusao-digital-sera-feita-nas-escolas-brasileiras/

Anúncios



    Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

    Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: